Quem somos

Aos cinco dias do mês de janeiro de 1967, na cidade de Nova Friburgo, estado do Rio de Janeiro, foi fundada a Igreja Metodista Wesleyana, compondo-se inicialmente de ministros e leigos que cooperavam na Igreja Metodista do Brasil. Os motivos que deram origem ao desligamento, por ocasião do 11º Concílio Regional da Igreja Metodista do Brasil, basearam-se na doutrina do batismo com o Espírito Santo, como uma segunda bênção para o crente, e na aceitação da obra pentecostal, incluindo os dons mencionados na Bíblia Sagrada: Sabedoria, Fé, Ciência, Dons de Curar, Operação de Maravilhas, Profecia, Discernimento, Línguas e Interpretação de Línguas, bem como os cânticos espirituais, as revelações e as visões. Acrescentando-se ainda a realização da obra do avivamento espiritual, os cânticos de corinhos, as orações pelos enfermos e os cultos sem liturgia e protocolos.

Às 14 horas da data acima mencionada, realizou-se a reunião que ficou conhecida como “Reunião da Ponte”, pelo fato de ter sido feita sobre uma ponte no pátio da Fundação Getulio Vargas, sob direção dos pastores Idelmício Cabral dos Santos e Waldemar Gomes de Figueiredo. Nessa ocasião, foi definitivamente fundada a Igreja Metodista Wesleyana, aceitando como forma de governo o centralizado com um Conselho-Geral, seguindo-se em linhas gerais o sistema metodista. Estavam presentes nessa reunião as seguintes pessoas: Idelmício Cabral dos Santos, Waldemar Gomes de Figueiredo, José Moreira da Silva, Francisco Teodoro Batista, Gessé Teixeira de Carvalho, Córo da Silva Pereira, José Mendes da Silva, Zeny da Silva Pereira, Dinah Batista Rubim, Ariosto Mendes, Wilson da Silva Mendes, Jacir Vieira e Antônio Faleiro Sobrinho.

Na ocasião, elegeu-se o primeiro Conselho-Geral, que ficou assim constituído: superintendente-geral: Waldemar Gomes de Figueiredo; secretário-geral: Gessé Teixeira de Carvalho; incluindo as três secretarias: Missões, Educação Cristã e Ação Social; e tesoureiro-geral: Idelmício Cabral dos Santos.

O movimento Wesleyano começou a desenvolver-se gloriosamente, e convocou-se o Concílio Constituinte para se reunir na cidade de Petrópolis, dos dias 16 a 19 de fevereiro de 1967, ocasião em que foi organizada a Igreja. Novos obreiros juntaram-se às fileiras wesleyanas e vários evangelistas foram eleitos. Estava consolidada a Obra do Senhor. Os estatutos da Igreja foram aprovados e os membros do Conselho-Geral foram eleitos oficialmente: superintendente-geral: Waldemar Gomes de Figueiredo; secretário-geral de missões: Gessé Teixeira de Carvalho; secretário-geral de ação social: Oriele Soares do Nascimento; secretário-geral de finanças: Idelmício Cabral dos Santos; presidente da Junta Patrimonial da Igreja Metodista Wesleyana: Francisco Teodoro Batista; e redator do jornal Voz Wesleyana: Gessé Teixeira de Carvalho.

A relação dos membros do Concílio Constituinte que organizou a nova Igreja registra os seguintes nomes: Alice Nely dos Santos, Antônio Faleiro Sobrinho, Azet Gerd, Clarice Alves Pacheco, Córo da Silva Pereira, Daniel Pedro de Paula, Derly Neves, Dílson Pereira Leal, Dinah Batista Rubim, Ezequiel Luiz da Costa, Francisco Teodoro Batista, Geraldo Vieira, Gessé Teixeira de Carvalho, Gessy dos Santos, Helenice Bastos, Idelmício Cabral dos Santos, Isaías da Silva Costa, Jair Magalhães, Jedidad Hilda da Costa, Jeremias Gomes de Araújo, João Coelho Duarte, Joaquim R. Penha, José Barreto de Macedo, José Gonçalves, José M. Galhardo, José Marques Pereira, José Mendes da Silva, José Moreira da Silva, José Tertuliano Pacheco, Letreci Teodoro, Nacir Neves da Costa, Nilson de Paula Carneiro, Octavio Faustino dos Santos, Onaldo Rodrigues Pereira, Oriele Soares do Nascimento, Pedro Moraes Filho, Sebastião Alves Moreira, Sebastião Moreira da Silva, Tobias Fernandes dos Santos, Waldemar Gomes de Figueiredo, Wilson R. Damasceno e Wilson Varjão. Outros irmãos estiveram presentes, mas não assinaram o livro contendo a ata de organização.

O Concílio Constituinte elegeu uma Comissão de Legislação composta dos seguintes membros: Waldemar Gomes de Figueiredo, Idelmício Cabral dos Santos, Gessé Teixeira de Carvalho, José Moreira da Silva, Francisco Teodoro Batista, João Coelho Duarte, Oriele Soares do Nascimento, José Mendes da Silva, Córo da Silva e Onaldo Rodrigues Pereira, aos quais delegou poderes para preparar o Manual da Igreja Metodista Wesleyana, publicado em 1968.

No que cremos

I – Há um só Deus vivo e verdadeiro, soberano, eterno, de infinito poder e sabedoria, criador e conservador de todas as coisas visíveis e invisíveis; que na unidade de Sua divindade há três pessoas de uma só substância, de existência eterna, igual em santidade, justiça, sabedoria, poder c dignidade: o Pai, o Filho e o Espírito Santo – Ex 20.2-3; Sl 143.13; Mt 28.19-20; Lc 3.22; Tg l.l7.

II – O Filho, que é a Palavra do Pai, encarnou-se no ventre da virgem Maria, tomando a natureza humana, reunindo assim duas naturezas inteiras e perfeitas: a divina e a humana, para ser conhecido como verdadeiro Deus e verdadeiro homem que sofreu, foi crucificado, morto e sepultado, reconciliando-nos assim com o Pai, fazendo expiação dos nossos pecados – Lc 1.3 5; Jo 3.31; Cl 1.15-20; Hb 4.15.

III – Jesus Cristo foi crucificado, morto e sepultado, verteu seu sangue para remissão dos pecados e regeneração dos pecadores arrependidos – Rm 5.9; Hb 9.14.

IV – Cristo verdadeiramente ressuscitou dentre os mortos em seu corpo, glorificado, com todas as características da natureza humana, e subiu ao céu, assentou-se à destra do Pai, de onde há de vir para julgar os vivos e os mortos – At 2.32-36; 2 Tm 4.1; 1 Jo 3.2.

V – O Espírito Santo, que procede do Pai e do Filho, Verdadeiro e eterno Deus – Mt 28.19; 2 Co 13.13.

VI – A Bíblia que é a Palavra de Deus, foi escrita por homens divinamente inspirados. Ela é o padrão único e infalível pelo qual a conduta humana e as opiniões devem ser Julgadas – 2 Tm 3.16; 2 Pe 1.19-21.

VII – A justificação se realiza somente pela fé em Jesus Cristo – Rm 3.28; Ef 2.8.

VIII – A santificação do salvo é uma operação realizada pelo Espírito Santo, adquirida pela fé. A santificação é obra da livre graça de Deus por meio da qual morremos para o pecado e vivemos para a justiça.

IX – O batismo com o Espírito Santo, ato da graça de Deus, é uma experiência de revestimento de poder recebida pela fé para testemunho do evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo. Como real evidência do batismo, manifestam-se as línguas estranhas – Lc 3.16; 24.49; At 1.8; 2.5-13; 10.44-46.

X – A cura divina, os milagres, são para nossos dias também como partes integrantes da obra expiatória de Cristo – Mc 16.17-18; Tg 5.15.

XI – O batismo bíblico é a imersão do crente em água, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, não como meio de salvação, mas como testemunho da mesma – Jo 3.23; Rm 6.3-4; Cl 2.12; I Pe3.21.

XII – A Ceia do Senhor é uma festa espiritual, através da qual os salvos pelo uso do pão comum e do vinho, lembram juntos a morte de Cristo e perpetuam o sentido de sua morte até que Ele venha – 1 Co 10.16; 11.23-26.

XIII – Os planos de Deus para o sustento de sua obra são: os dízimos e as ofertas. O dízimo é anterior à lei mosaica, na qual foi cumprido e exigido; e permanece como princípio neo-testamentário – Mt 3.8-10; Mt 23.23; 2 Co 9.5-7.

XIV – A Igreja visível de Cristo é uma congregação de crentes batizados, unidos uns aos outros na fé e na comunhão do Evangelho, observando os mandamentos de Cristo, governados por suas leis, exercendo os dons concedidos pelo Espírito Santo – Mt 18.17; 1 Co 14.33; Ef 5.23.

XV – A segunda vinda de Cristo será repentina, pessoal e pré-milenial. Nós amamos a Sua vinda e O esperamos, dizendo: “Ora vem Senhor Jesus” – Mt 24.27-36; l Ts 4.16-17.

XVI – No Céu haverá galardão para os santos e bem-aventurados por toda eternidade, e haverá punição infindável para os ímpios no lago de fogo – Mt 25.46; 2 Co 5.10; Fl 3.20; l Pe 1.4; Ap 22.12.

Como nos organizamos

A Igreja Metodista Wesleyana, uma denominação genuinamente evangélica de princípios bíblicos, se organiza administrativamente como um sistema de governo centralizado de regime episcopal, com a seguinte estrutura eclesiástica:

  1. Denominação
  2. Regiões eclesiásticas
  3. Distritos eclesiásticos
  4. Igrejas locais
  5. Congregações
  6. Grupos pequenos, denominados GCEU
No campo ministerial, sua ordem sagrada é composta de:
  1. Missionárias
  2. Pastores
  3. Ministros
  4. Bispos
Sua composição administrativa compõe-se de:
  1. Colégio Episcopal: é constituído pelos bispos da denominação e exercem a autoridade máxima para assuntos eminentemente espirituais, éticos, disciplinares para seus iguais e formação de opinião para o grande público. Cada bispo é superintendente regional de uma região eclesiástica e supervisionado pelo bispo presidente do Colégio Episcopal.
  2. Conselho Geral: formado pelos bispos da denominação e mais 05 secretários gerais; que são: Secretário Geral de Administração, Secretário Geral de Educação Cristã, Secretário Geral de Ação Social, Secretário Geral de Missões e Secretário Geral de Finanças. É o conselho máximo para administração de toda a denominação.
  3. Conselho Ministerial Regional: formado pelo bispo superintendente regional e os superintendentes distritais, que são ministros supervisores de um determinado número de igrejas no âmbito de um distrito eclesiástico. É o conselho de administração, supervisão, disciplina e nomeações no âmbito da região eclesiástica.
  4. Conselho Regional: formado pelos integrantes do CMR e mais os diretores e coordenadores regionais. Sua missão é de planejamento e execução dos planos de trabalhos aprovados em agenda.

Símbolos da igreja

Art. 5º A Igreja Metodista Wesleyana adota os seguintes símbolos:

I - O hino “Igreja Metodista Wesleyana”, de autoria do bispo Gessé Teixeira de Carvalho, que recebe o número 361 em nosso hinário oficial Cânticos de Adoração;

II - O símbolo gráfico com uma cruz e um coração estilizado em forma de chamas. Seguem modelo e significação:

explicação sobre o símbolo da igreja
Explicação sobre o símbolo

III - A logomarca com a padronização do estilo da letra e seus formatos característicos do nome "Igreja Metodista Wesleyana":

logomarca da igreja
Logomarca

IV - Uma bandeira que representa o ideal da Igreja Metodista Wesleyana como corpo de Cristo, que deverá obter os seguintes critérios:

bandeira da igreja
Bandeira
  1. Plano da redenção de Cristo Jesus. Símbolo da Igreja Metodista Wesleyana demonstrando o coração abrasado pelo Espírito Santo;
  2. Cor branca faz o plano de fundo do símbolo da redenção (cruz), demonstrando pureza;
  3. Essa pureza só é conquistada por meio do sangue de Jesus, que é tipificado pelo arco estilizado de cor vermelha que cobre "o plano da redenção";
  4. O slogan "Santidade como estilo de vida" resume o ideal de um verdadeiro cristão que aceita o plano redentor e busca pureza por meio do sangue de Jesus;
  5. A cor azul no fundo remete à santidade absoluta que só iremos ter no céu.
cores da igreja
Cores

§ 1º A marca é um dos maiores patrimônios de uma denominação. A identidade visual tem por objetivo estabelecer critérios para sua aplicação, de maneira que garanta uma imagem fiel. As normas dessas imagens deverão ser obedecidas pelos envolvidos com o uso constante da marca “Igreja Metodista Wesleyana”, assegurando sua qualidade e integridade.

§ 2º Todas as dúvidas de utilização correta da marca deverão ser encaminhadas à Secretaria-Geral de Administração, que as esclarecerá.

§ 3º Fica terminantemente proibido o uso da marca para fins comerciais sem a prévia autorização por escrito da Secretaria Geral de Administração.

VI - A Igreja Metodista Wesleyana adota como sua marca e bandeira as imagens a seguir:

Marca: (união do símbolo e do logotipo)

marca da igreja bandeira da igreja
Marca e Bandeira